PF tira do ar três sites de pirataria de filmes e séries e prende cinco pessoas

Resultado de imagem para pirataria

Juntos, os três sites tinham 64 milhões de acessos por mês e eram mantidos por grandes anunciantes.

Polícia Federal prendeu, nessa quinta-feira, cinco pessoas ligadas a sites de pirataria. Segundo as investigações, as páginas eram mantidas graças a grandes anunciantes.
A investigação durou 11 meses e foi um desdobramento da primeira fase da Operação Berba Negra, que em novembro de 2015 prendeu um casal da cidade de Cerquilho, interior de SP. Juntos eles administravam o maior site de pirataria de filmes da América Latina, o MegaFilmes HD. O casal responde em liberdade por violação aos direitos autorais e associação criminosa. Os novos pedidos de prisão temporária foram feitos pela Polícia Federal de Sorocaba, que centraliza as investigações.
Com base em depoimentos da primeira fase da operação, a polícia chegou até quatro administradores de outros três sites. Eles foram presos em Minas GeraisPernambuco eParaíba.
Para ter acesso aos filmes, os internautas tinham que assistir a anúncios e era daí que vinha o lucro com a pirataria. Juntos, os três sites tinham 64 milhões de acessos por mês e estavam hospedados em servidores americanos. Por isso, a Polícia Federal contou com a ajuda da Interpol para tirar as páginas do ar.
A Polícia Federal prendeu em São Paulo um homem que, segundo as investigações, fazia contato com os responsáveis pelos sites. "Ele fazia a parte financeira. Ele procurava empresas para financiar o site, colocar propagandas no site, devido a grande quantidade de acessos", diz  a delegada Erika Coppini.
O que chamou a atenção dos investigadores da PF, foram os anunciantes dos sites de pirataria de filmes, como afirma o delegado Valdemar Latance Neto: "Grandes marcas infelizmente não se importam de veicular a própria imagem e vinculá-la a sites de pirataria digital. É preciso que a publicidade não anuncie, não patrocine o crime organizado e não anuncie em sites piratas".
Agora, a Polícia Federal quer identificar quem são as pessoas responsáveis, nas empresas, pelo patrocínio dos sites.
Fonte: www.g1.globo.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo