Flávio Dino não vai ao encontro com Bolsonaro e o Maranhão vai ser representado pelo Piauí

POR: AQUILES EMIR
Como já era previsto, Flávio Dino (PCdoB), um dos maiores críticos de Jair Bolsonaro (PSL), não participará nesta quarta-feira (14), em Brasília (DF), do encontro do presidente eleito e sua equipe econômica com governadores eleitos e reeleitos. O Maranhão, assim com outros estados do Nordeste, será representado pelo governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que vai levar uma carta com as principais reivindicações da região.

Em entrevista ao G1 PI, Wellington Dias disse que a carta que levará ao presidente eleito conterá propostas para a pauta Brasil, destacando as prioridades para a região. “O Fórum dos Governadores do Nordeste me autorizou a representar a região na agenda do próximo dia 14, em reunião com o presidente eleito Jair Bolsonaro para podermos tratar da carta do Nordeste”, disse.

Ainda de acordo com governador piauiense, desde 2015 houve várias reuniões dos gestores estaduais nordestinos, no Piauí, em Pernambuco, no Ceará, na Bahia e outros estados, oportunidade em que foram debatidos temas como Saúde, Educação, a situação de recursos hídricos, energia, essa parte da política fiscal e essas situações de contratos de empréstimos da previdência. “Elaboramos propostas para a pauta Brasil, ou seja, a pauta brasileira a partir da prioridade do Nordeste”, acrescentou.

Ainda de acordo com Wellington Dias, ele aproveitará o encontro para solicitar de Bolsonaro uma audiência em que debaterá esses temas, apresentará a carta de seus colegas e vai propor uma reunião específica com os governadores nordestinos.Wellington Dias levará carta dos governadores nordestinos a Jair Bolsonaro

Caos – Desde a eleição de Jair Bolsonaro, dia 28 de outubro, o governador Flávio Dino tem sido um dos maiores críticos do futuro governo, chegando a prever um caos econômico e social no Brasil a partir de 2019, quando for empossado.

Diante das críticas feitas pelas redes sociais, muitos imaginavam que ele estivesse disposto a apresentar seus alertas, pessoalmente, ao futuro presidente e à sua equipe econômica, porém, a exemplo do que ocorreu ao longo do governo de Michel Temer, com quem nunca teve uma audiência nem participou dos encontros organizados por ele, preferiu ficar de fora.

Segundo a coordenação do encontro, vinte governadores já garantiram presença em Brasília nesta quarta, ou seja, apenas sete, provavelmente todos dos Nordeste, onde Fernando Haddad (PT) teve maior votação, estarão ausentes.





Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo