Flamengo não se intimida com negativas e prevê mais de R$ 60 mi por Bruno Henrique e Dedé


Dedé é o sonho de consumo do Flamengo para a zaga
Santos e Cruzeiro jogam duro, mas Rubro-Negro, que comprou Rodrigo Caio por cerca de R$ 20 milhões, ainda sonha desfalcar rivais para contratar os preferidos de Abel Braga.

Com orçamento de R$ 100 milhões para investir no time de futebol, o Flamengo mantém a artilharia apontada - com mais de R$ 60 milhões reservados - para contratar Bruno Henrique e Dedé. A direção do Rubro-Negro analisa outras opções, mas vai insistir nas tratativas pelo atacante do Santos e pelo zagueiro cruzeirense. Os dois são os alvos preferidos do técnico Abel Braga, que se apresentou nesta quarta-feira e definiu o zagueiro como "mito" e unanimidade nacional.

O caso de Dedé, por toda a idolatria na equipe mineira, é considerado mais difícil. Do jogador não vai haver movimento com pedido de saída, por gratidão à Raposa e respeito a torcida cruzeirense. O Cruzeiro reafirma que está imune a pressões pela negociação do zagueiro. Os investidores - que não podem influir no caso por resolução da Fifa de 2015 - acompanham o caso de longe, mas veem oportunidade de fazer o negócio e receber pelo pagamento ainda na saída do jogador do Vasco para Belo Horizonte, em 2013.

Mas o Flamengo não desiste de Dedé. O clube esticou a corda até cerca de R$ 35 milhões e acenou com perdão da dívida de Mancuello. Nos bastidores, o entendimento na Gávea e nas partes envolvidas na transação é de que a reação cruzeirense sinaliza, além de satisfação para a torcida mineira, desejo de que a proposta do Rubro-Negro suba mais - até mesmo pela comparação imediata com os 5 milhões de euros (R$ 22 milhões) pagos por 45% de Rodrigo Caio.

No caso de Bruno Henrique, a direção do Flamengo conta com a disposição do jogador de pedir a liberação do Santos. Os valores envolvidos são semelhantes aos de Dedé, com cerca de R$ 30 milhões pagos de maneira parcelada. A diretoria santista, ciente do desejo do jogador, espera vender Bruno Henrique por valores acima das conversas iniciais.

A diretoria do Flamengo não comenta negociações. Hoje, no departamento de futebol, são quatro agentes envolvidos com as negociações: os diretores Carlos Noval e Bruno Spindel. O gerente Paulo Pelaipe e o vice de futebol Marcos Braz.





Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo