Anitta afirma que fez pacto com o diabo para conseguir sucesso

A afirmação, claro, foi uma resposta irreverente para a pergunta de um internauta, que questionou a cantora pela rede social e acabou recebendo a afirmação inusitada.

Uma publicação de Anitta no Twitter causou polêmica na internet, após a cantora afirmar que realizou um pacto com o diabo para conseguir o sucesso.

A afirmação, claro, foi uma resposta irreverente para a pergunta de um internauta, que questionou a cantora pela rede social e acabou recebendo a afirmação inusitada.

Leia também: Trabalhador pendurado em uma corda em prédio no 27°andar dá de cara com o cantor sertanejo Leonardo, assista

Ao anunciar que uma série sobre sua vida irá estrear na Netflix, a cantora foi questionada por um internauta: “Anitta, é verdade que você fez pacto com o diabo para ficar famosa?”.

A cantora então surpreendeu. “Sim! Ele vem me buscar em 10 anos igual no ‘Supernatural’ com vários cachorros. Por isso, tô aproveitando tudo rápido”, escreveu.






Lulinha Compra a maior fazenda do Mundo com 523 MIL cabeças e 500 MIL Hectares

Agro Santa Bárbara, do banqueiro Daniel Dantas é “a maior criadora de bovinos do mundo”, mantendo 523 mil cabeças em 500 mil hectares de pastos distribuídos em 15 dos 143 municípios paraenses. No ano passado esse rebanho rendeu um abate de 110 mil bois.

Além disso, a empresa planta cana em áreas degradadas, maneja matas, nativas produz energia verde, faz reflorestamento e organiza loteamentos imobiliários

Fazenda Santa Bárbara? Peraí! Qual é mesmo o nome do sítio que o Lula usa mas diz que não é dele? Sítio Santa bárbara! Coincidência….só pode ser. Coincidência com o nome do sítio. 70 mil alqueires santa Barbara no Xingu, Marabá Cedro mais 90 mil alqueires, São Roberto 35 mil alqueires, Vale do sereno, 27 mil alqueires, Matão 15 mil alqueires. 
E o povo ocupando a mídia com um triplex
‘Lulinha’, filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é sempre visto no sul do Pará como um dos grandes investidores na região. Lulinha seria parceiro de Dantas. O filho de Lula, justiça seja feita, nem faz questão de manter o anonimato. Quem já o viu por Xinguara, Redenção e Marabá diz que o rapaz é frequentador assíduo do Pará. Não para conhecer delícias como açaí, o tacacá ou o suco de bacuri, mas para fazer negócios. Lulinha transita com desenvoltura por feiras agropecuárias e leilões de gado e sempre é visto circulando de helicóptero pelas fazendas da região.

Daniel Dantas
Se Lulinha é mesmo parceiro de Dantas, de papel passado, ninguém ainda provou isso. Mas até mesmo o ex-presidente Lula já visitou as fazendas do Pará acompanhado de Lulinha e dona Marisa. Vai ver tudo não passa de invenção do povo daquela região. Afinal isso deve ser apenas de “amigos do Lula”.








Vendo Filhotes De Pit Bull - Cachorros Pitbull RAÇA PURA

Vendo Filhotes De PiT BuLL Raça PURA...
Últimos 5 filhotes 1-Mês...Já Come Ração...
$650,00 - à Vista... 
NÃO PRECISA VIR BUSCAR, ENTREGO NAS CIDADES DE ZÉ DOCA, ARAGUANÃ E NEWTON BELLO... 

FALAR COM NILSON PELO FONE OU WATTSAP:

98 99176-7053
 






Candidatos barrados pela Justiça Eleitoral terão que devolver R$ 530 mil no Maranhão

Candidaturas indeferidas pela Justiça Eleitoral nas eleições de 2018 terão que devolver o valor recebido de verbas públicas para a campanha eleitoral. De acordo com a prestações de contas entregues à Justiça, os candidatos impedidos gastaram R$ 530.322,91 no Maranhão.

Segundo levantamento do Blog do Clodoaldo Corrêa, dos 76 candidatos a deputado estadual ou federal com candidaturas indeferidas, 18 receberam recursos do Fundo de campanha e terão que devolver. Alguns destes ainda tentam reverter a inelegibilidade em instâncias superiores e logicamente se conseguirem não precisarão devolver os valores.

A candidata indeferida que recebeu mais recursos públicos foi Rosângela Curado, que recebeu R$ 150 mil do Patriotas e um pequeno valor de doações de pessoas físicas. Rosângela gastou exatos R$ 150 mil na campanha. O maior gasto foi com prestadores de serviço da campanha.

Ricardo Murad gastou R$34.989,80, sendo a maioria do recurso com combustível (R$ 14.196,00) e com seus bonecos gigantes (R$ 9 mil). Do total de R$ 41 mil de recurso arrecadado para a campanha de Murad, R$ 35 mil foram recursos públicos do fundo de campanha do PRP e terão que ser devolvidos.

Enquanto a chiadeira foi grande no PSDB por causa de recurso do fundo de campanha, Roberto Rocha abriu a mão para candidato que foi barrado na Justiça Eleitoral por ter condenações criminais, sem condição de elegibilidade. O ex-prefeito de Esperantinópolis, Dr. Raimundinho, recebeu R$ 102.250,00 do recurso do PSDB e gastou praticamente tudo com material de publicidade, enquanto a maioria dos candidatos tucanos ficou chorando por um santinho.

Do total de R$283.469,34 arrecadados na campanha do deputado Hemetério Weba, R$ 100 mil foram oriundos do Fundo Nacional do PP. Seu maior gasto foi com combustível (R$92.085,55), seguido de material de publicidade (R$58.244,50). Hemetério segue tentando reverter o indeferimento da candidatura no TSE. Caso não consiga, terá que devolver os R$ 100 mil.
A maioria dos candidatos indeferidos com valores recebidos é do PT. Como o partido distribuiu valores menores (em média de R$ 1.500,00) para mais candidatos, todos os indeferidos do partido têm recursos para devolver: cinco estaduais e três federais.

O Ministério Público Eleitoral (MPE) estuda como reaver estes recursos.





Luiz Inácio Lula da Silva irá depor nesta quarta-feira sobre sítio de Atibaia

Lideranças do PT e movimentos sociais vão acompanhar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para às 14h desta quarta-feira (14), no prédio da Justiça Federal em Curitiba (PR). Será a primeira vez que o petista deixará a sede da Superintendência da Polícia Federal desde que foi preso, em 7 de abril último.

Lula irá depor à juíza substituta da Lava Jato, Gabriela Hardt, sobre o processo do sítio de Atibaia, em que é acusado de ter recebido propina de R$ 1,02 milhão, parte desse valor supostamente repassado pela Odebrecht e OAS por meio de obras de reforma e melhorias na propriedade rural.

Desta vez, o ex-presidente não ficará cara a cara com o juiz Sérgio Moro, responsável por sua condenação em primeira instância, já que o magistrado aceitou o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro e comandará o Ministério da Justiça. Moro deve pedir exoneração do cargo nos próximos dias, mas já está afastado das atividades.

Lula cumpre pena de 12 anos e um mês, em regime fechado, após ser condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex no Guarujá (SP).

O site do PT informou que o Comitê Nacional Lula Livre – formado também pelas frentes Brasil Popular, Povo sem Medo e outros movimentos – vai “acompanhar Lula em mais esse episódio de perseguição contra o ex-presidente e seu legado”.

A presidenta do partido, senadora Gleisi Hoffmann, o líder da bancada petista na Câmara, Paulo Pimenta, também estarão em Curitiba.




Ministro do Planejamento diz que mínimo pode ficar acima dos R$ 1.006 previstos para 2019, e o Bolsa Família?

Segundo Esteves Colnago, índice usado no cálculo do salário mínimo deve ficar acima do previsto inicialmente pelo governo, o que elevaria, portanto, o salário mínimo do ano que vem.

O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, durante audiência na Comissão de Orçamento do Congresso.

O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, afirmou nesta terça-feira (13) que o salário mínimo pode ficar acima dos R$ 1.006 previstos para o ano que vem. Atualmente, o salário mínimo é de R$ 954.

O valor foi apresentado em 31 de agosto, quando o governo enviou ao Congresso Nacional a proposta de orçamento de 2019.

O cálculo do salário mínimo leva em conta, entre outros pontos, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que deverá ficar acima do previsto pelo governo inicialmente.

Na prática, se o INPC for maior, o salário mínimo também aumentará.

"A gente tem uma perspectiva de que o valor do INPC venha um pouco maior do que aquilo que a gente estipulou", afirmou Colnago nesta terça-feira ao participar de uma audiência pública na Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional.

Se confirmado o aumento, esta será a primeira vez que o salário mínimo ficará acima da marca de R$ 1 mil.

De acordo com o ministro, cada R$ 1 mais no salário mínimo representa R$ 304 milhões em gastos públicos. Isso porque os benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) aos aposentados não podem ser menores do que um salário mínimo.

Fórmula do salário mínimo

O reajuste do salário mínimo obedece a uma fórmula que leva em consideração o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes e a variação do INPC do ano anterior.

Para o salário mínimo de 2019, portanto, a fórmula determina a soma do resultado do PIB de 2017 (alta de 1%) e o INPC de 2018. Como só será possível saber no início do ano que vem a variação do INPC de 2018, o governo usa uma previsão para propor o aumento.

Além da inflação e do resultado do PIB, no reajuste do mínimo de 2019 está embutido uma compensação pelo reajuste do mínimo deste ano, que ficou abaixo da inflação medida pelo INPC.

Este é o último ano de validade da atual fórmula de correção do mínimo, que começou a valer em 2012. O próximo presidente da República, Jair Bolsonaro, ainda não informou qual será sua proposta para o salário mínimo de 2020 em diante.

Bolsa Família

Na audiência pública no Congresso Nacional, o ministro do Planejamento também informou que o orçamento do Bolsa Família para o ano de 2019 ainda não foi recomposto, apesar de determinação do presidente Michel Temer.

"Estamos trabalhando nisso. Até hoje, não achamos o espaço [no orçamento]", declarou Colnago a parlamentares.

O governo enviou no final de agosto ao Congresso Nacional uma proposta de orçamento de 2019 contendo autorização para gastos de R$ 15 bilhões com o programa no próximo ano, mas as necessidades do programa são de R$ 30 bilhões. O Bolsa Família atende 13,9 milhões de famílias de baixa renda.

Para que a dotação fosse recomposta, teria de ser enviada uma mensagem modificativa ao Legislativo - o que ainda não aconteceu.

Os recursos do Bolsa Família e de outros programas foram bloqueados para que a chamada "regra de ouro" não seja descumprida. Os desequilíbrios da regra de ouro em 2019 estão estimados pelo governo, na peça orçamentária, em R$ 258,17 bilhões. Se a regra de ouro for descumprida, o presidente em exercício pode incorrer em crime de responsabilidade.

Essa regra impede que o governo contraia dívida para cobrir despesas correntes, como o pagamento de salário de servidores. A lei admite que o governo se endivide apenas para fazer investimentos, que podem depois se refletir em crescimento da economia e em aumento da arrecadação.

Por isso, além de não autorizar R$ 15 bilhões para o Bolsa Família, também não foram liberados para gastos R$ 201,705 bilhões em benefícios previdenciários e R$ 30 bilhões do Benefício de Prestação Continuada (BPC) - pagamento de um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção, nem de tê-la provida por sua família.

Além disso, também não estão autorizados o pagamento de R$ 9 bilhões em subsídios e subvenções econômicas e R$ 2,474 bilhões para Compensação ao Fundo do Regime Geral de Previdência Social.






Decadência: Sarney Filho é nomeado secretário só de um pedacinho de meio ambiente

POR JM Cunha Santos

Ministro plenipotenciário do Meio Ambiente por duas vezes, o ex-deputado Sarney Filho, derrotado fragorosamente para o Senado no Maranhão, ganhou, como prêmio de consolação, a Secretaria do Meio Ambiente do Distrito Federal.
Isso apenas mostra a decadência política do grupo Sarney no Maranhão e no Brasil depois da estupenda derrota eleitoral imposta pelo governador Flávio Dino que ganhou da irmã do pretenso ministro ainda no primeiro turno.
Pretenso porque o grupo Sarney, ao alardear um apoio inútil à campanha de Jair Bolsonaro, esperava por grandes afagos, por ministérios importantes, também por conta da combalida influência do pai, José Sarney, junto ao governo Michel Temer, aliado de primeira linha de Bolsonaro. Mas Temer, a essas alturas, só está cuidando mesmo é de garantir alguma imunidade.
No entanto, ao contrário do que esperavam, o que fez o presidente eleito foi acusar Sarney Filho de vender a Amazônia a ONGs internacionais.
Sarney Filho, agora, vai cuidar da lama da Samarco.





Bolsonaro fala em cortar ao menos 30% dos cargos políticos em bancos

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse na tarde desta terça-feira (13/11) que pretende cortar “no mínimo” 30% dos cargos políticos nos bancos federais. Em conversa com jornalistas no Superior Tribunal Militar (STM).

Bolsonaro confirmou reportagem publicada pelo Estado que sua equipe prepara um “pente-fino” para mapear indicações partidárias no Banco do Brasil (BB), no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Banco do Nordeste (BNB) e no Banco da Amazônia (BASA). “Pretendemos diminuir (o número de cargos) e colocar gente comprometida com outros valores lá dentro”, afirmou.

A uma pergunta sobre o “cabide” de empregos nos bancos federais e autarquias, Bolsonaro afirmou que a equipe do economista Paulo Guedes, escalado para o ministério da Economia, irá “rever” as estruturas das instituições. “Vamos diminuir isso aí”, ressaltou. O presidente eleito disse “concordar” que há um “exagero” no número de comissionados e citou ainda o quadro de funcionários dos ministérios.

MAIS SOBRE O ASSUNTO

Na entrevista, ele voltou a destacar que pretende dar transparência às operações do BNDES, uma bandeira de campanha. “No BNDES, o sigilo vai ser zero”, disse.

Bolsonaro destacou que as mudanças nos bancos estatais e as nomeações de presidentes, incluindo a do Banco Central, estão sendo analisadas por Paulo Guedes. Até agora, o futuro ministro da Economia informou que Joaquim Levy, ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff, comandará o BNDES.

“É da minha índole confiar nas pessoas”, disse Bolsonaro, referindo-se a Guedes. “Essa é a política econômica do Paulo Guedes. Ele tem ascendência”, completou. “O Brasil está numa situação crítica e está nas mãos dele tirar (o país) dessa situação.”




Topo